Artigo

A obra em andamento

“Estou plenamente certo de que aquele que começou a boa obra em vós há de completá-la até o dia de Cristo Jesus” (Fp 1.6).

A convicção do apóstolo Paulo de que a boa obra de Deus, através de Jesus, iniciada com Seu envio ao mundo para realizar nossa redenção através de Sua morte sacrificial na cruz, continua desenvolvida e será concluída até a Sua volta ao mundo para o juízo final. Essa segurança do apóstolo nos leva a posicionamentos pessoais, quanto ao estarmos ou não, fazendo parte dela. Certo é que, da parte de Deus, somos Seus alvos, entretanto, isso está condicionado à nossa decisão pessoal.

O Senhor precisa contemplar nosso ser voltado para Ele, disponível para ouvir Sua palavra, que nos revelará nossa real situação espiritual, que é de pecado e de afastamento Dele: “pois, todos pecaram e destituídos estão da Glória de Deus” (Rm 3.23). Ainda nos revelará que providenciou a alternativa para que essa triste realidade seja revertida, através de nossa conversão a Jesus, enviado por Ele ao mundo para efetuar nossa justificação, e nos devolver o direito à Sua glória. “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5.1).

Cumprida a primeira parte da obra, entraremos para o seu segundo estágio, que consiste em nossa peregrinação pelo mundo, já libertos do pecado e em processo de aperfeiçoamento espiritual ou santificação, e trabalhando para que outros também se posicionem como nós, na obra de Deus em andamento. Isso perdurará até o momento em que Jesus voltar ao mundo para o juízo final, ou seja, quando todos estaremos diante de Seu infalível tribunal para Seu veredito final. Os que permitiram serem obrados por Jesus, receberão o prêmio final, que é a vida eterna com Deus. Os que não se incluíram na obra, entrarão para uma eternidade sem Deus, de sofrimentos eternos. Veja isso nos textos a seguir: “Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação, e por fim a vida eterna” (Rm 6.22). “Quem nele crê não é condenado, o que não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (Jo 3.18).

Faça a autoavaliação quanto a isso, se não está incluído nessa obra, inclua- -se.

Por: Celson Vargas, pastor, colaborador de OJB